Páginas

quarta-feira, 15 de abril de 2015

EDUARDO LAGES, MAESTRO DO REI, CELEBRA CINCO DÉCADAS EM CURITIBA





















“Comemorando 50 anos de carreira, Eduardo Lages, maestro e arranjador de Roberto Carlos por mais de três décadas, é a estrela de musical “Eduardo Lages & Orquestra – o Maestro do Rei em Toda brasileira é uma diva”.  Com direção de Ulysses Cruz, o espetáculo que conta, através da música, o dia-a-dia de uma rádio, faz única apresentação no próximo dia 22 de maio, no palco do Teatro Positivo – Grande Auditório. Ingressos já estão à venda”.

Instrumentista, arranjador, produtor musical e compositor, além de maestro da orquestra de Roberto Carlos nos últimos 37 anos,  produtor musical da Globo durante duas décadas quando foi também diretor musical de programas como Fantástico Globo de Ouro, o maestro Eduardo Lages, que dividiu os palcos com o “rei” em mais de 3 mil shows em todo o Brasil e no exterior, é agora a estrela de um musical que celebra no palco os seus 50 anos de carreira.  Apresentado pela Bombril,  “Eduardo Lages & Orquestra – o Maestro do Rei”, um musical para toda a família, conta, através de muitas canções, a história fictícia de uma rádio em algum lugar do país. Com realização da Prime,  o musical chega a Curitiba, no próximo dia 22 de maio, em inédita apresentação no palco do Teatro Positivo - Grande Auditório (R: Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300) às 21h15 Com concepção e direção geral de Ulysses Cruz e roteiro do jornalista Vinícius Faustini, o espetáculo, uma realização da Musickeria Corp, é o primeiro de uma série que terá vários temas – o primeiro será “Toda brasileira é Uma Diva”. A estreia foi em março em São Paulo e já passou também pelo Rio de Janeiro. Após a capital paranaense, segue para Belo Horizonte.

Os ingressos já estão disponíveis e variam de R$51,00 (meia-entrada) a R$186,00 (inteira), de acordo com o setor. Plateia Vermelha Inferior (filas 01 inteira e filas de 02 a 04 central) - R$186,00 (inteira) e R$96,00 (meia-entrada) / Plateia Azul Inferior (filas de 02 a 04 laterais dir. e esq. e da 05 a 10 central) - R$166,00 (inteira) e R$86,00 (meia-entrada)/ Plateia Amarelo Inferior (filas da 05 a 10 laterais dir. e esq. e da 11 a 15 central) - R$146,00 (inteira) e R$76,00 (meia-entrada)/ Plateia Roxo Inferior (filas de 11 a 15 laterais esq. e dir.) - R$136,00 (inteira) e R$71,00 (meia-entrada)/ Plateia Laranja Superior Central  (filas de 16 a 28) - R$126,00 (inteira) e R$66,00 (meia-entrada)/ Plateia Rosa Superior (filas de 16 a 28 laterais dir. e esq.) - R$116,00 (inteira) e R$61,00 (meia-entrada)/ Plateia Verde Superior (filas de 16 a 28 canto dir. e esq.) - R$96,00 (inteira) e R$51,00 (meia-entrada). A meia-entrada é válida para estudantes, pessoas acima de 60 anos, professores, doadores de sangue e portadores de necessidades especiais (PNE).  Portadores do cartão fidelidade Disk Ingressos  possuem 20% na compra de até dois bilhetes por titular.   Promoções não cumulativas com descontos previstos por Lei. ***Valores sujeitos a alteração sem aviso prévio. ****Já está incluso o valor de R$6,00 de acréscimo por bilhete referente à taxa de administração Disk Ingressos. É obrigatória a apresentação do documento previsto em lei que comprove a condição do beneficiário, na compra do ingresso e na entrada do teatro. Os ingressos podem ser adquiridos através do Disk Ingressos (Loja Palladium - de segunda a sexta, das 11h às 23h, aos sábados, das 10h às 22h, e aos domingos, das 14h às 20h, -  e quiosques instalados nos shoppings Mueller e Estação de segunda a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos, das 14h às 20h)Call-center Disk Ingressos (41) 33150808 (de segunda a sexta, das 9h às 22h, e aos domingos, das 9h às 18h), na bilheteria do teatro Positivo (de segunda a sexta, das 9h às 21h, e aos sábados, das 9hs às 18hs), na bilheteria do teatro Guaíra (de terça a sábado, das 12h às 21h)  e pelo portalwww.diskingressos.com.br.
“O Maestro do Rei” é um musical para toda a família, que tem como protagonistas o maestro e sua orquestra, tem 80 minutos de duração e é dividido em 3 blocos, apresentando a manhã, a tarde e a noite da Rádio No Ar,  onde músicas  de muitos ritmos, cores e sentimentos diversos são tocadas ao longo do dia. Ao final, um  Show de Gala encerra sua programação. Como toda rádio, a programação inclui noticiários, jingles, atrações infantis e a participação de ouvintes – entre eles, está Ivete Sangalo que encarnará, através de uma participação pré-gravada, uma animada espectadora nordestina. “Esse lugar onde se passa “O Maestro do Rei”, está situado na nossa memória. Ele é construído de fragmentos de várias épocas, velhos e novos sons, antigas e modernas imagens”, explica Ulysses Cruz.

Entre as canções do espetáculo estão clássicos de todas as épocas e gêneros, como “Como uma onda no mar”, “É o Amor”, “Maria, Maria”, “Carinhoso”, “Eu sei que vou te amar”,  ”Chovendo na Roseira”, “Michelle”, “Eleonor Rigby”, “Happy” e  vários pot-pourris temáticos, com músicas de novelas,  músicas infantis,  músicas de baile, entre muitas outras. E ainda,  como não poderia faltar,  clássicos do “rei” Roberto como “Como é Grande o Meu Amor Por Você” e“Emoções”.

Além do maestro Eduardo Lages e da Orquestra, o musical terá no palco uma trupe de atores performáticos, que se alternarão entre cenas faladas, números de dança e canto junto à Orquestra, além de serem responsáveis por movimentos de cenário, e da estrutura da Orquestra. A trupe terá sete atores, três rapazes e quatro moças, incluindo as Cluster Sisters, grupo vocal revelado ao país durante o programa Superstar da Rede Globo. Com concepção e direção geral de Ulysses Cruz, o espetáculo tem direção de Ravel Cabral, roteiro de Vinícius Faustini, cenografia de Verônica Costa, figurinos deLuciana Buarque e coreografia de Tania Nardini.

Eduardo Lages
Eduardo Lages nasceu em Niterói, RJ, em 11 de março de 1947. Filho de médico e professora, iniciou o estudo de piano com a Prof. Jacyra Muller aos quatro anos de idade. Aos 13 anos sofreu um pequeno acidente brincando com amigos, que limitou um pouco o movimento de um dos dedos da mão esquerda, mas não o impediu de continuar os estudos. Mas a partir de serestas semanais que aconteciam em sua casa passou a se interessar pela música popular. Seu pai também tocava piano de forma amadora, mas sendo médico de alguns cantores famosos, sua casa era frequentada por Cyro Monteiro, Luis Reis, Silvio Caldas e muitos outros, que o fizeram se interessar por música popular.

Talvez os Beatles tenham sido os maiores incentivadores de sua carreira, principalmente pelas musicas “Yesterday” e “Michelle”, além de outras baladas que seguiam a linha “piano”.

Em um determinado momento, aos 14 anos, montou um conjunto de Twist, que era a febre do momento, mas o conjunto tinha limitações pela baixa idade e pela proibição do Juizado de Menores para se apresentar à noite. À partir dos 16 anos, começou a trabalhar como músico semi profissional, tendo recebido uma autorização provisória da Ordem dos Músicos do Brasil.

Ao mesmo tempo, tocava orgão na Igreja Católica e nas reuniões da LBV (Legiao da Boa vontade) presidida na época por Alziro Zarur. À noite, nos fins de semana, tocava piano na “zona” depois da missa. “Eu ia do céu ao inferno em 20 minutos…. de ônibus”, brinca.

Aos 18 anos começou a fazer os primeiros arranjos musicais. Sempre adorou orquestras e desde pequeno quando lhe perguntavam o que queria fazer quando crescesse, respondia “quero ser maestro”. Começou também nessa época a participar em Festivais como compositor, com ótimos resultados – quarto colocado no Festival Internacional da Canção da TV Globo, vencedor do Festival Internacional da Canção no Peru em 1979 e vencedor do Festival Internacional da Canção no México em 1970.

A pedido dos pais, fez vestibular e passou para engenharia, faculdade que depois de algum tempo foi abandonada durante a formação  do grupo MAU, Movimento Artístico Universitário, onde participavam Ivan Lins , Lucinha Lins, Gonzaguinha, Audir Blanc e muitos outros.  Foram convidados pela TV Globo, para apresentar o “Som Livre  Exportacão”. O musical teve duração de um ano e ele era o arranjador, sendo contratado pela emissora quando o programa acabou. Foram 20 anos de trabalho, período em que criou várias vinhetas e aberturas da TV Globo e fez a direção musical de programas como Fantástico, Discoteca do Chacrinha e Globo de Ouro. Nos anos de 1976 e 77, foi atração de urna das casas mais badaladas da noite carioca, o Chikos’ Bar.

Foi em  1977  que  começou  a  sua  relação  musical  com  Roberto  Carlos.  Às vespéras  da  estréia  do cantor  no  Canecão,  com  o  show  em  que  o  maior  astro  da  música brasileira aparecia travestido de palhaço ao interpretar a canção “O show já terminou”,   Lages atuava como maestro, numa turnê que teve apresentações por todo o Brasil, além de vários países da América  do  Sul, Central  e  do  Norte,  Portugal, Espanha, Itália e França. “Tudo  mudou  na  minha  vida.  Passei  a  me  encantar  com  trabalho  do  artista  Roberto  Carlos. Passei a viajar o Brasil e o mundo com ele”.

Quatorze  anos  depois  de  estar  ligado  musicalmente  a  Roberto  Carlos,   Eduardo  Lages  foi obrigado  a  romper o contrato com a TV Globo, pois não conseguia  mais conciliar os dois  trabalhos. Na emissora, Eduardo participou  de  37 especiais de Roberto Carlos com arranjador  e regente. Nos 30 anos em que Eduardo Lages vem trabalhando com Roberto Carlos, ele ainda desenvolveu  trabalhos  de produção  e/ou   arranjos   para  artistas   como   Marcos  Valle,  Zezé  di  Camargo   & Luciano, Chitaozinho  &  Xororó,  Daniela  Mercury,  Cauby  Peixoto,  Angela  Maria  e  a  Orquestra  Sinfônica Brasileira, entre outros.  Como compositor, tem músicas gravadas por vários artistas como Nelson Gonçalves, Agostinho dos Santos, Emilio Santiago, Claudia, Angela Maria, Chitãozinho e Xororó, Daniel, Ivete Sangalo e mais 19 músicas gravadas por  Roberto Carlos, já tendo participado de quase 3000 shows do “rei” – do  interior da Amazonia à New York ou Las Vegas.

Dez anos atrás, o maestro Eduardo Lages não poderia imaginar como sua vida profissional daria um salto.   Acostumado a ser reconhecido pelo grande público como “o maestro do rei”, hoje Lages se orgulha de ter conseguido sucesso  também em carreira solo. “Aos 60  anos  de  idade  virei  artista”, confessa   o maestro.

O primeiro grande sucesso foi o  álbum “Emoções”, lançado  no  final  de  2005,  que  inclui  versões instrumentais   de canções   de Roberto   Carlos   e Erasmo  Carlos,  e já  alcançou  a  marca  das  cem  mil cópias  vendidas  (disco  de  platina).Empolgado  com  o  grande  sucesso  do  seu  primeiro  trabalho  solo,  o  maestro  no  ano  seguinte lançou o seu segundo  álbum, “Cenário” – titulo de  uma composição sua com  Paulo Sergio Valle, que também  faz  parte do disco.  Neste CD, além de três musicas de Roberto e  Erasmo,  foram  gravadas  também  canções,  que  como  Eduardo  diz,  fizeram  parte do cenário  da  sua  vida.  Sucessos  como “My  Cherrie  Amour”  de  Stevie  Wonder,  “The  Winner Takes  It All”  do  ABBA  e “The  More I  see  You”  de  Chris  Montez.  0  resultado novamente  surpreendeu  a todos:  o segundo  CD instrumental de Eduardo Lages também chegou a  marca das cem  mil cópias vendidas,  fazendo o maestro  receber  pela segunda  vez  o disco  de platina.

O sucesso  ainda se  repetiu com a  produção  do seu primeiro CD/DVD  “Com Amor”. Além dos  maiores sucessos  dos  seus  dois  CDs,  o  maestro  ainda  reuniu  neste  projeto  canções  famosas  da  Jovem Guarda, do cinema Internacional e da MPB. Após o lançamento de três sucessos consecutivos, a gravação de um novo álbum se tornou inevitável, e Lages mostrou mais uma vez que a carreira solo só tem a crescer com o lançamento do CD “Inesquecível”, em 2008. Mais uma vez o maestro apostou nos sucessos de Roberto Carlos, experimentando novas arranjos.  No respertório do disco canções como “Detalhes” (Roberto Carlos I Erasmo Carlos), “Por isso eu corro demais” (Roberto Carlos) e “Jovens Tardes de Domingo (Roberto Carlos I Erasmo Carlos). A principal  assinatura  do  disco  foi a  referência  aos  maestros  e as orquestras.   Na nova roupagem das canções o músico relembrou, por exemplo, Glen Miller em “O Calhambeque”. Já  em  “Vista  a roupa, meu  bem” foi o ritmo  dançante de  Ray Conif  e sua  orquestra que o inspiraram.   Do extenso   elenco  de  sucesso  das  interpretações  de  Roberto,  Eduardo  Lages escolheu aqueles que os fãs mais solicitaram e atendeu até a  sugestões do próprio rei.

Para comemorar  tamanho sucesso,  Eduardo  Lages idealizou  um show onde essas “Emoções” de 37  anos  ao  lado  do  rei  Roberto  Carlos  pudessem  também  ser  contadas  alem  de  tocadas.  No  show  o  maestro  tocava  os  sucessos  dos  seus  dois CDs, juntamente  com  os  músicos  de  sua orquestra  em numero variável de acordo com o tamanho da casa de espetaculos.  Durante toda a apresentação,  o maestro intercalava canções com histórias deste convívio. Em 2009 lançou o CD “Nossas Canções”, e em 2011 chegou as lojas a coletânea “O Melhor de Eduardo Lages”. Seu mais recente trabalho a ser lançado foi “Romances”, de 2012.

Ulysses Cruz
Ulysses Cruz nasceu na capital paulista, no dia 22 de setembro de 1952. Iniciou sua carreira teatral nos anos 70, quando criou o grupo Corpo e Movimento, na Faculdade de Turismo Morumbi. Lá, montou “Senhora dos Afogados”, de Nelson Rodrigues, em 1974, seguida pela montagem da revista teatral “Tem Banana na Banda”, espetáculo que revelou Marcos Frota e Cássia Kiss. A última montagem do grupo foi “Alice, O Que Uma Menina Bonitinha como Você Faz num País como Esse”, de Paulo Afonso Grisolli, em 1979. Com o final do grupo, passa a escrever críticas teatrais e volta a dirigir na Fundação das Artes de São Caetano do Sul, onde comanda a montagem de “O Coronel dos Coronéis”, de Maurício Segall. Em 81 monta o musical “Lola Moreno”, de Bráulio Pedroso, Geraldo Carneiro e John Neschling.
]
Em 1983 passa a integrar o Centro de Pesquisa Teatral (CPT), como diretor assistente de Antunes Filho, na remontagem de “Macunaíma”, em “Nelson 2 Rodrigues” e “Romeu e Julieta”. No CPT, cria, em 1985, o grupo Boi Voador e dirige “Velhos Marinheiros”, inspirado em Jorge Amado. Depois dessa montagem o grupo se desliga do CPT e monta, em 1986, sua versão de “O Despertar da Primavera”, de Frank Wedekind.

Paralelemante ao teatro, Ulysses foi carnavalesco da Escola de Samba Vai-Vai, onde criou enredos e desfiles nos anos de 1986 e 1987, dando uma visão teatral aos desfiles de São Paulo. Retorna ao Carnaval, nos anos 2000, quando dirige a Comissão de Frente da Escola de Samba Unidos da Viradouro, no Rio de Janeiro.

Em 1988, ele dirige os espetáculos “Fragmentos de um Discurso Amoroso”, “Corpo de Baile”, inspirado em Guimarães Rosa (com o grupo Boi Voador); “A Cerimônia do Adeus”, de Mauro Rasi, “Erêndira”, baseado em Gabriel García Márquez, e, em Lisboa, monta “Henrique IV”, de Luigi Pirandello. De volta ao Brasil, em 1989, dirige Renata Sorrah em “Encontrarse”, de Luigi Pirandello. No ano seguinte, encena “A Secreta Obscenidade de Cada Dia”, de Marco Antônio de la Parra, com Antônio Abujamra. Em comemoração ao 20º aniversário do Teatro Municipal de Santo André, monta “História do Soldado”, de C. F. Ramuz e Igor Stravinsky, com a participação do Corpo de Baile Especial, Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal, e dos atores Antonio Fagundes, Antônio Petrin, Cacá Carvalho, entre outros.

Em 1990, volta a dirigir o grupo Boi Voador, na montagem de “Pantaleão e as Visitadoras”, adaptação do livro de Mario Vargas Llosa, seguido de “El Señor Presidente”, baseado em Miguel Angel Asturias, em 1992. Neste mesmo ano faz uma parceria com Antonio Fagundes e dirige o ator em “Macbeth”, de William Shakespeare. Em 1994, apresenta sua versão para “Anjo Negro”, de Nelson Rodrigues. Em 1995, retorna a Shakespeare e dirige, no Teatro Popular do Sesi, “Péricles, Príncipe de Tiro”, com Cleyde Yáconis, “Rei Lear”, em 1996, e “Hamlet”, com Marco Ricca, em 1997.

Em 2007, Ulysses volta a Shakespeare, e dirige com Ricardo Rizzo, uma adaptação de “Os Dois Cavalheiros de Verona”, ambientado num dancing dos anos 50, com atores da Globe-SP Company, escola de teatro criada por ele em São Paulo. Em 2009, dirige sua versão para “O Zoológico de Vidro” (“The Glass Menagerie”, no original), de Tennessee Williams. Seu mais recente espetáculo é “Olhe Para Trás com Raiva”, de John Osborne.

Nos anos 80, Ulysses Cruz foi convidado para trabalhar na Rede Globo de Televisão, onde dirigiu o programa da apresentadora Angélica, episódios de “O Sítio do Pica Pau Amarelo”, programas de Fausto Silva e Xuxa. Desde 2009 dirige o show do “Criança Esperança”. Dirigiu ainda na Globo as novelas “Estrela Guia”, “Sabor da Paixão” e  “Eterna Magia” e as miniséries “A Muralha”, “Presença de Anita” e “Um Só Coração”.

Musickeria
A Musickeria é uma plataforma de negócios com visão de 360 graus sobre o cenário no qual a música se insere. Nessa visão esférica do negócio, a empresa atua em três diferentes frentes: Musickeria Conteúdo / Musickeria CORP / Musickeria FOCO, desenvolvendo soluções e projetos que utilizam a música como uma plataforma estratégica de comunicação e posicionamento, entregando ao consumidor produtos finais de altíssima qualidade artística.

Atendendo a uma crescente demanda do mercado corporativo e publicitário, a Musickeria CORP tem em seu DNA o desenvolvimento de soluções criativas que promovem engajamento emocional entre marcas e a audiência, através da plataforma de música. Sua atuação abrange as áreas de consultoria, curadoria artística, estratégia de music branding, planejamento e execução de conteúdo musical proprietário em diversas plataformas como web, rádio, TV, ações outdoor e assessoria de imprensa. A companhia já realizou cases para marcas como Brahma, Itaú, P&G, Gillette, Petrobras, Bradesco, Bombril e One Health.

Ficha técnicaDireção de Produção – Afonso Carvalho
Direção Executiva
 – Flávio Pinheiro
Maestro e Arranjador 
-  Eduardo Lages
Coordenação de Marketing
 – Taísa Rennó e Marcia Madela
Produção Executiva 
– Laura Bispo
Dalton Vicente 
(Tecnico de Monitor)
T. Reis
 (Tecnico de P.A.)
Cezar Vasconcelos 
(Produtor Técnico)
Cássio Araújo 
(Roadie)

Formação da orquestra: Eduardo Lages (Piano) – Maestro / Ringo, Quirino Jacob e Carla Castro (Coro) / Alex Braga, Otávio Scoss, Ana Paula Eloi e Silvia Velludo (Violinos) / Margarete Yahagi (Viola) / Marisa Silveira (Cello) / Clécio Fortuna (Sax alto e Flauta) / Nahor Gomes e João Lenhari (Trompete e Flugel) / Paulo Ferreira (Guitarra e violão de 6) / Darcio Mario Ract (Baixo elétrico) / Norival (Bateria) / Ubaldo Versolato (Sax tenor e Flauta) / Jorginho Neto (Trombone) / Alê di Vieira (Percussão) / Elias Almeida (guitarra e violão)

Elenco/Trupe: Guilherme Logullo, Leo Wagner, Luana Zenun, Rafael Machado, Gabriela Catai (Cluster Sisters), Giovanna (Cluster Sisters), Maitê (Cluster Sisters)

Equipe Ulysses
Direção Artística Geral – Ulysses Cruz
Direção Artística – Ravel Cabral
Cenografia – Verônica Valle
Roteiro: Vinícius Faustini
Figurino – Luciana Buarque
Direção musical – Roger Henri
Coreografia – Tânia Nardini
Light Designer – Marcos Olívio
Assistente de direção – Thiago de Los Reyes
Realização – Musickeria

SERVIÇO:
“Eduardo Lages & Orquestra – o Maestro do Rei” em Toda brasileira é uma diva
Quando: 
22 de maio de 2015 (Sexta-feira)
Local: Teatro Positivo – Grande Auditório (R. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300)
Horários:  Abertura do Teatro:  20h15 / Início dos shows: 21h15
Duração do show: 
cerca de 90min
Ingressos: 
variam de R$51,00 (meia-entrada) a R$186,00 (inteira), de acordo com o setor.
Plateia Vermelha Inferior (filas 01 inteira e filas de 02 a 04 central) - R$186,00 (inteira) e R$96,00 (meia-entrada);
Plateia Azul Inferior (filas de 02 a 04 laterais dir. e esq. e da 05 a 10 central) - R$166,00 (inteira) e R$86,00 (meia-entrada);
Plateia Amarelo Inferior (filas da 05 a 10 laterais dir. e esq. e da 11 a 15 central) - R$146,00 (inteira) e R$76,00 (meia-entrada);
Plateia Roxo Inferior (filas de 11 a 15 laterais esq. e dir.) - R$136,00 (inteira) e R$71,00 (meia-entrada);
Plateia Laranja Superior Central  (filas de 16 a 28) - R$126,00 (inteira) e R$66,00 (meia-entrada);
-  Plateia Rosa Superior (filas de 16 a 28 laterais dir. e esq.) - R$116,00 (inteira) e R$61,00 (meia-entrada);
Plateia Verde Superior (filas de 16 a 28 canto dir. e esq.) - R$96,00 (inteira) e R$51,00 (meia-entrada).
A meia-entrada é válida para estudantes, pessoas acima de 60 anos, professores, doadores de sangue e portadores de necessidades especiais (PNE).
-  Portadores do cartão fidelidade Disk Ingressos  possuem 20% na compra de até dois bilhetes por titular.   
*** Promoções não cumulativas com descontos previstos por Lei.
***Valores sujeitos a alteração sem aviso prévio.
 ***Já está incluso o valor de R$6,00 de acréscimo por bilhete referente à taxa de administração Disk Ingressos. É obrigatória a apresentação do documento previsto em lei que comprove a condição do beneficiário, na compra do ingresso e na entrada do teatro.
Forma de Pagamento: Dinheiros e cartões de crédito/débito Visa e Mastercard.
Pontos de Venda: Disk Ingressos (Loja Palladium - de segunda a sexta, das 11h às 23h, aos sábados, das 10h às 22h, e aos domingos, das 14h às 20h, -  e quiosques instalados nos shoppings Mueller e Estação de segunda a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos, das 14h às 20h)Call-center Disk Ingressos (41) 33150808 (de segunda a sexta, das 9h às 22h, e aos domingos, das 9h às 18h), na bilheteria do teatro Positivo (de segunda a sexta, das 9h às 21h, e aos sábados, das 9h às 18h), na bilheteria do teatro Guaíra (de terça a sábado, das 12h às 21h)  e pelo portal www.diskingressos.com.br.
**Entrega em domicílio com taxa de entrega.
Classificação etária: Livre
Informações p/ o público: (41) 33150808 / 33173283 / www.maisumadaprime.com.br
Realização: Prime

Ana Paulla Righetto
Foto: Marcos Hermes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada,por nos deixar sua opinião.